Boas Práticas para Fones e Head-Sets

Os fones ou head-sets podem apresentar sistemas de corte e proteção, cancelamento de ruído externo, amplificação analógico ou digital ou serem passivos chegando a um valor máximo da cápsula mono, sendo o volume limitado pela PA que atenua com auxílio de um potenciômetro aumentando a resistência e alterando o volume. É muito importante no processo de aquisição de fone não só olhar a questão de preço, mas a tecnologia, a confiabilidade, durabilidade, a faixa de frequência, os sistemas de corte e proteção de choque acústico e o comprometimento com a saúde e segurança dos usuários. Neste contexto, contribuindo com o Programa de Conservação Auditiva necessário para as empresas de teleatendimento e que possuem colaboradores que laboram com fone, destacamos em forma de perguntas os seguintes pontos:

• Qual o tipo de fone e plataforma utilizada: analógico ou digital?

• O fone possui ou não amplificador / alimentação?

• O Fone atende ANATEL e a empresa fornecedora possui um sistema da qualidade com certificação ISO 9001 que garanta a qualidade da produção homologado na ANATEL, onde fazem parte do controle os fornecedores, os processos e pessoas envolvidas na montagem, os sistemas de testes e ensaio, o método de avaliação da exposição in loco, além do acompanhamento do histórico dos fones?

• A manutenção é realizada de forma adequada com a comprovação que o mesmo se mantém como o original?

• São realizados testes elétricos individuais? Com avaliação dos sistemas de proteção e corte para evitar choque acústico?

• São realizadas medições da exposição dos fones em situações real com o método da ISO 11904-2? E, em diferentes períodos e com número de amostras adequadas ?

• O fornecedor do fone/ head-Set realiza testes ou ensaios de qualificação envolvendo avaliação da exposição do trabalhador se preocupando com um produto adequado com limitadores de exposição a níveis elevados, como o uso de diodos de corte adequados?

Os sons emitidos são adequados e inteligíveis sem ser muito baixos evitando o estresse no atendimento?

• O processo de compra e aquisição envolve a área de SSO – Saúde e Segurança Ocupacional da empresa?

• Há na empresa um programa de conservação auditiva adequado que envolva processos de medição da exposição dos colaboradores em diferentes atividades, horários, jornadas e periodicidade?

São realizadas  avaliações adequadas em atendimento as regulamentações de conforto do ambiente e acústica de sala que são impactantes na exposição do trabalhador?

• Nos programas de treinamento e reciclagem conforme exigido na NR-17 anexo II, são apresentados aos colaboradores os problemas da utilização continuada e em alto volume de fone, mp3, iPod dentre outros Gadgets?

• O processo de higienização e manutenção é realizado por empresa qualificada e adequada que seguem sistemas de gestão da qualidade e certificação ISO 9001? Com o registro de resposta de testes e ensaio após a manutenção?

• Há comprometimento da alta gerência na aquisição, conservação dos fones e processo de trabalhos que garantam a prevenção e controle saúde e segurança dos trabalhadores?

•  Os gestores e prepostos conhecem e praticam todos os pontos destacados e regulamentados para a atividade de teleatendimento atendendo as questões tanto de risco de exposição quanto de conforto ambiental?

• São executados periodicamente medições dos ambientes de trabalho atendendo as regulamentações de conforto NR-17 anexo II, a ISO 7726, ISO 7730 e ASHRAE 55, que levam em consideração os índices NC de ruído por frequência, a  medição adequada da temperatura efetiva com a medição da temperatura do ar, umidade relativa, velocidade do ar com incertezas menores que 3% e ponto de orvalho?

•  Os exames audiométricos são corroborados com as medições das exposições da jornada com a utilização de fone para análise e classificação das perdas e relação de nexo causal?

Projeto 3RAmber Protótipo

Pensamos no selos 3RStampODE, acima, em cores Vermelho (orelha direita) e Azul (orelha esquerda)  como uma forma de controle simples e consciente dos usuários para a troca da orelha dos fones monoaurais, em intervalos de 1 hora, com a fiscalização da supervisão garantindo a troca das orelhas girando o telescópio da haste do microfone que passa a ficar sobre as cores no mesmo padrão utilizados nos exames audiométricos. Garantindo a efetiva aplicação das medidas de controle e prevenção nas atividades com fone de ouvido. Uma ideia da 3R Brasil e Ambergo em parceria com  fornecedora de head-set.


A preocupação com a saúde e a segurança do trabalho levou aos desenvolvimento pela 3R Brasil e seus parceiros soluções com inovações para o controle e a prevenção dos riscos ocupacionais e ambientais aplicando novas tecnologias e tendências, integradas normas técnicas e legais. Desenvolvemos as soluções para fones/head-set(s): 3RAmber, 3RSetBlind e 3RTOPrecise. Estes possuem as mesmas tecnologias que está sendo utilizado no projeto da 3R Brasil, Inova Talentos, com a FINEP e o IEL como parte integrante do hodômetro de ruído (3Rnoisetrigger) idealizado pelo Engenheiro Rogério Dias Regazzi.


Também inovamos com a internet das coisas IoT: 3R dB(Air) Top Alert como sistema complementar de medição de qualidade de ar e ruído ambiental na forma de dispositivos de alerta. Podem ser utilizado em salas de teleatendimento, shoppings, no metro, embarcações, estacionamentos, hospitais, bibliotecas etc. Nossa solução integra as exigências relatorias da NR 17 anexo II e da síndrome dos edifício doente.


O 3R dB(Air) Top Alert permite a utilização como placar ou display de aviso luminoso dinâmico a partir de seus gráficos em qualquer  televisão digital, display com acesso a internet ou gadgets. Apresentando no formato escolhido pelo usuário alertas com faixas em cores como vermelho, amarelo e verde. As medições ficam armazenadas no próprio equipamento com os históricos diários que devem ser descarregados via internet. Na tendência da internet das coisas "IoT" publica automaticamente os resultados em gráficos através de um IP fixo, isto é, o equipamento é um servidor independente sem qualquer necessidade de configuração, basta ter acesso a partir do IP que abrirá uma tela simples e amigável no seu Browser de internet, onde o usuário poderá disponibilizar as grandezas de interesse e disponibilizar o que deseja com ou sem senhas de acesso as diversas telas já preparadas que podem apresentar apenas uma grandeza como Ruído, ou qualidade do ar CO2 ou teperatura e umidade como todas juntas ao mesmo tempo.


Contato Brasil (aqui) e Contato Portugal (aqui).


Veja também nossos softwares para controle audiométrico:  http://www.rsdata.com.br/web/software/audiometria.

Homologação de Fones, Base e Obrigações Trabalhistas

A certificação e homologação garantem ao consumidor a aquisição e o uso de produtos de telecomunicações que respeitam padrões de qualidade e de segurança e funcionalidades técnicas regulamentadas. O Regulamento sobre Certificação e Homologação, aprovado pela Resolução nº 242/2000, estabelece que a emissão do documento de homologação é pré-requisito obrigatório para fins de comercialização e utilização, no Brasil, de produtos para telecomunicações.


As empresas e usuários só devem adquirir ou utilizar produtos de telecomunicações homologados pela Anatel, em conformidade com o Regulamento sobre Certificação e Homologação.


Para a questão de sistema de telecomunicação, por exemplo: relacionados com fones e head-set(s), problemas na blindagem de fios, na cápsula dos alto-falantes, impedâncias ou no sistema de segurança contra choque acústico, podem acarretar perda de audição por superação de limites de nível de pressão sonora de impacto, risco eminente (NR 15 anexo 2), ou por exposição diária a NPSE (NR15 anexo 1). Interferências e retorno de voz faz com que o usuário aumente o volume para melhorar a inteligibilidade e consequentemente aumentar a exposição diária ao ruído. Também são destacados os choques elétricos e produtos químicos envolvidos na fabricação, dentre outras consequenciais relacionadas com os fones.


A consulta aos produtos certificados e homologados pela Anatel é efetuada por meio do Sistema de Gestão de Certificação e Homologação (SGCH) .


OBRIGAÇÕES PATRONAIS E DE SEUS PREPOSTOS:


Assim como muitas empresas de teleatendimento, dentre outras atividades que utilizam fones ou head-set, devem ter como meta adquirir somente produtos com a homologação da Anatel, além de exigir testes e ensaios de emissões de nível de pressão sonora e exposição ao agente ruído. Esse ensaio deve ser realizado em laboratório ou empresa com a técnica da cabeça artificial com medições de amplitude e frequências em diferentes volumes e número de amostras mínimas. Para isso varia-se o volume da base, ou sistema de controle e/ou fone em diferentes escalas, avaliando as respostas em frequência, as emissões e os sistemas de corte de choques acústicos (clipe do sinal), dentre ostras características eletrodo-acústicas. Somado a isso, deve-se realizar os ensaios em situações reais com o número de amostras adequadas.


Esse último chamado de áudio-dosimetria de fone deve ser realizado anualmente pela empresa que adquiriu os sistema com fones / head-set(s) num processo determinado pelo legislador, ref. MTE e MPAS, de geração de demonstrativos ambientais para garantir que a exposição dos colaboradores estão sobre controle. São questão devidamente regulamentadas para o agente de risco ruído ocupacional na NR 15, anexo 1 (para ruído contínuo ou intermitente) e 2 (para ruído de impacto), com procedimentos da FUNDACENTRO NHO-01 envolvidos com funções e equipamentos, somados a técnica de medição de campo próximo da norma ISO 11904, relacionada as emissões de ruído de fones e headset(s). Esta norma ISO é fundamental e reconhecida internacionalmente como norma técnica adequada para medição da exposição de ruído de fones, onde é destacado procedimentos e cálculos de conversão das medições de campo próximo para campo difuso, determinantes para a comparação e os cálculos presentes na NR15 anexo 1 e 2 e na NHO-01.


Quem não executa esses monitoramentos dos agentes de risco regulamentados e/ou adquire equipamentos sem homologações e ensaios reconhecidos coloca em risco seus colaboradores numa prática negligente que acarretará passivos trabalhistas e previdenciários, além de ações indenizatórias,  regressivas e criminais. Reforçamos que para fones e head-sets as medições não só são importantes, mas é a única forma de garantir o controle das exposições ao agente ruído onde estão envolvidos questões como qualidade dos fones, inteligibilidade, produtividades, características acústica do ambiente onde são realizadas as atividades, a manutenção adequada, a higienização e o treinamento.


A 3R Brasil Tecnologia Ambiental possui um sistema de medição calibrado na RBC/INMETRO no laboratório da TopUse em SP, utilizado para ensaios, testes e homologações, onde a TopUse e suas instalações possuem as devidas certificações ISO 9000, com a 3R Brasil os  credenciamentos no CREA nas áreas de engenharia, medições, laudos e demonstrativos ambientais, com registro na Anatel para pedido de homologação de produtos nesse órgão.


Veja mais na www.3RBrasil.com e www.3RHsec.com, referências nessas técnicas de medição no Brasil.